NAMORO

namoro-gay-namoroÀs vezes, notamos certa inconstância nos relacionamentos homoafetivos, algo que acaba alimentando a ideia: ser gay é sinônimo de infelicidade. Não ignorando os inúmeros fatores a colocar fim numa relação, podemos observar que a falta de estabilidade no namoro gay ocorre, na maioria dos casos, pelas seguintes situações:

Medo de ferir-se sentimentalmente – trauma este trazido de uma relação anterior, e a depender das experiências vivenciadas pelo indivíduo ele passa a desacreditar na possibilidade de uma relação monogâmica estável, preferindo então adotar um comportamento mais alternativo ou seja manter seu namoro sem compromisso e fidelidade para com o parceiro. Todavia, destacamos que este trauma não é “privilégio” apenas do mundo gay, mas, das relações heteroafetivas também. 

Outro fator impeditivo para um namoro estável é o preconceito e a repulsa que o indivíduo tem de si mesmo por ser gay. Alguns jovens, não assumidos por assim dizer, iniciam um relacionamento às escondidas e conforme o entrosamento de seu namoro vai se intensificando, o complexo de estar pecando mais o receio da descoberta por parte dos pais e familiares, transformam-se em barreiras, impedindo a continuidade do namoro.

Tal situação acaba gerando uma mágoa, tristeza e uma série de outros sentimentos para as duas partes, além da velha ideia que tudo deu ou dará errado porque são gays.  Reparem que em torno destas situações apresentadas é gerado um círculo vicioso, do qual, alimentado pela raiva e medo coloca fim as oportunidades de um namoro estável, de um prazer mútuo e até da própria felicidade.

Contudo, destacamos que ninguém é obrigado a viver infeliz ao lado de uma pessoa somente para demonstrar estabilidade no namoro. Porém, esqueçam o velho jargão de que o mundo gay é podre e que duas mulheres ou dois homens jamais serão felizes juntos. Observem que a problemática está na negatividade, tanto do pensar, quanto do agir e reagir, igualmente pela mania que nós como seres humanos temos em almejar e exigir muito de Deus e dos outros sem fazermos a nossa parte.

Ninguém é perfeito, da mesma forma que nos decepcionamos, decepcionaremos também. Afinal, a vida é um aprendizado e a medida que vamos amadurecendo nossas reações mudam, igualmente nossa visão sobre o mundo e as pessoas. Mas, cabe a nós ter a consciência de se posicionar com bom caráter diante das nossas escolhas. Portanto, caso sinta-se despreparado ou receoso a iniciar um relacionamento sério, seja por traumas e até por não se aceitar gay, use de sinceridade com você mesmo, idem para com a outra parte envolvida.

RuPaul sempre diz lindamente: Se você não for capaz de amar a si mesmo, como poderá amar alguém mais?

Por fim, não se menospreze, tenha amor próprio, não permita ser maltratado por seu namorado ou namorada, pensando que se ele ou ela partir não haverá outro alguém em sua vida; porque no mundo gay ninguém é feliz etc. Stop com estas ideias!!! Seremos bons o bastante a quem verdadeiramente nos amar. Pense que se agir diferente deste “mundo gay” (sem ódio, mágoas…) as chances em ser feliz estará às portas com toda certeza.

Consigo um amém?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *